Publicado em

Desinfecção de Consultórios Odontológicos com Luz UV-C

Assim como outros ambientes que trabalham com saúde e possuem uma grande rotatividade de pessoas, os consultórios odontológicos estão sempre vulneráveis a microrganismos diversos. Esta exposição se dá, principalmente, pela presença de secreções humanas como saliva, sangue etc. e pelo uso de instrumentos rotatórios.

Existem diversos meios de contaminação com riscos potenciais, a infecção cruzada, por exemplo, é uma das mais comuns em ambientes hospitalares e clínicos, e consiste na passagem de um microrganismo potencialmente patogênico de um meio contaminado a um local inócuo, ou seja, descontaminado, que então passa rapidamente a ser infeccioso.

Nas clínicas ou consultórios odontológicos, especificamente, a infecção cruzada no geral acontece com a transmissão de microrganismos que se dá pelo contato paciente-profissional, paciente-paciente ou profissional-profissional, por meio aéreo ou por objetos e instrumentos contaminados. 

Embora não seja convencional, há um outro meio que também pode facilitar a transmissão, que é a presença de patógenos nas linhas de água e ar comprimido, que são então transportados pelas mangueiras conectadas aos equipamentos. 

Possíveis riscos

Como podemos imaginar, a vulnerabilidade de ambientes de saúde podem facilitar a transmissão de doenças infectocontagiosas. Para se ter uma ideia, de acordo com a OMS (Organização Mundial de Saúde), 25% dos pacientes que vão aos consultórios estão transmitindo doenças infecciosas, o que pode ser bastante preocupante, caso não existam procedimentos adequados de higienização.

Dentre as doenças mais comuns transmitidas nesses ambientes, podemos citar: catapora, conjuntivite herpética, herpes simples, herpes zoster, mononucleose infecciosa, sarampo, rubéola, pneumonia, papilomavírus humano, HIV, tuberculose, além das hepatites tipo C e B. Quanto às hepatites, os dentistas estão cerca de 13 vezes mais suscetíveis a contrair do que qualquer outro profissional.

Como prevenir?

Este assunto é muito importante e merece ser discutido com mais profundidade. Um estudo feito em 2013 por Fernandez et al. mostrou que apesar de grande parte dos cirurgiões-dentistas já ter sofrido acidente perfurocortante, o conhecimento deles a respeito dos riscos e formas de contaminação não é satisfatório. 

Por isso, é sempre importante ressaltar que, medidas de biossegurança são indispensáveis, como o uso de EPIs por parte dos profissionais (luvas, máscara, óculos, gorro, jaleco etc.), desinfecção de superfícies do consultório e de materiais; uso de plástico descartável para cobrir superfícies e equipamentos. 

Assim como os processos de esterilização comuns (usando alta temperatura) utilizados para esterilização de equipamentos e superfícies, é comum a utilização de alguns antissépticos como álcool 70%, glutaraldeído e formaldeído. 

Entretanto, é importante destacar que esses compostos podem apresentar certo risco na hora da aplicação,  especialmente o formaldeído, que possui um forte odor, que além de irritante, é altamente inflamável e reativo, ou seja, liga-se com outras substâncias muito facilmente originando produtos tóxicos e poluentes ambientais.

Para solucionar esses gargalos, muitas clínicas odontológicas têm adotado outra solução: a desinfecção por meio da luz UV-C. 

Para entender o tema, continue lendo este artigo!

Efetividade da UV-C para a biossegurança na odontologia

A transmissão do agente etiológico da COVID-19 ocorre especialmente por meio do contato direto entre pessoas. A maioria dos estudos publicados até o momento confirma o alto potencial de transmissão viral pelo ar, especialmente quando existe a geração do aerossol (partículas menores do que 5 μm).

Nos ambientes de saúde, principalmente odontológico, a geração de aerossóis se dá pelo simples ato da utilização de objetos durante o atendimento, ou seja, caso o paciente esteja infectado, mesmo que assintomático, pode contaminar o ambiente com o vírus carreado pelo aerossol.

Devido a essa facilidade de transmissão, a desinfecção por meio de Luz UV-C ganhou bastante espaço nos consultórios odontológicos, que hoje utilizam diversos equipamentos com a tecnologia, desde aparelhos portáteis a “robôs”, alguns nacionais e outros importados. Todos têm a finalidade de inativar patógenos indesejáveis, principalmente o vilão do momento: o vírus SARS-CoV-2.

A emissão da luz UV-C por meio de lâmpadas específicas, por exemplo, garantem que todos os ambientes e equipamentos presentes no local sejam desinfectados em um processo que dura em torno de dez minutos. A luz provoca uma ruptura no RNA e DNA dos microrganismos,eliminando-os com uma eficiência de 99,9%.

Vale lembrar que, a efetividade da Luz UV-C não é apenas para esse período de pandemia, mas representa um complemento no protocolo rígido que as clínicas de odontologia devem manter, juntamente com a limpeza dos equipamentos, chão e bancadas com álcool 70%, autolavagem de todos os materiais e uso de todos os EPI’s. 

A tecnologia veio para ser uma grande aliada na higienização e combate a diversas bactérias, fungos e germes suspensos no ar, complementando o atual protocolo de higienização e desinfecção dos ambientes de saúde. 

Cuidados ao utilizar a Luz UV-C

É muito importante reforçar a informação de que a exposição direta ao UV-C pode ser perigosa e, portanto, deve ser evitada pelos seres humanos. Os efeitos da exposição humana aos raios podem incluir danos oculares, que começam com fotoqueratite, e danos cutâneos, que consistem em eritema como uma queimadura de sol.

Portanto, o procedimento de higienização deve ser feito com total segurança não só nos consultórios, mas também na sala de esterilização dos equipamentos, seguindo um criteriosos protocolos de monitoramento e supervisão, bem como uma série de cuidados especiais.

Novas Lâmpadas UV-C 59S

As novas Lâmpadas de UV-C LED, além de contribuírem para a iluminação da sua casa, ainda garantem um ambiente mais seguro! Em breve você encontrará no nosso site os seguintes produtos:

  • SunClean UV-C Desinfecção por LED UFO Light (para a cozinha ou banheiro);
  • Lâmpada High Power de Desinfecção SunClean UV-C LED (para o quarto);
  • Downlight de Desinfecção SunClean UV-C  LED (para a sala).

Todas essas lâmpadas de LED UV-C realizam uma desinfecção automática e inteligente, eliminando até 99,9% dos germes, bactérias e vírus do ambiente.

Mas, inteligente por quê?

Porque elas iluminam quando você chega e desinfeta o ambiente quando você sai! Outra vantagem é que todos esses equipamentos são “Enviroment-Frendly”, pois não utilizam nenhuma substância química, portanto, também não geram resíduos sólidos.

Referências

https://revistaimplantnews.com.br/qual-e-a-efetividade-da-uv-para-biosseguranca-na-odontologia/ 

https://www.saudebusiness.com/mercado/luz-uv-c-ajuda-clinicas-odontologicas-no-combate-ao-coronavirus