Publicado em

A descoberta da ação germicida da radiação UV-C

A radiação ultravioleta é caracterizada por ser uma radiação eletromagnética que possui o comprimento da onda mais curto comparando-se à luz visível e mais longo do que as ondas que constituem os raios-X. 

Este nome foi dado porque suas ondas têm frequências consideradas superiores àquelas que os seres humanos identificam com a cor violeta, ou seja, acima do violeta ou ultravioleta. 

Como já falamos em outras ocasiões, a Radiação UV-C está presente na luz solar e pelo fato de ser ionizada, ocasiona determinadas reações químicas como higienização e desinfecção, além de fazer com que muitas substâncias brilhem ou emitam fluorescência. 

Entretanto, vale destacar que a radiação ultravioleta também pode causar queimaduras solares aos seres vivos, dependendo do tipo de exposição, por isso, assim como os efeitos benéficos, ela pode ser nociva à saúde humana. 

Popularidade

Se você esteve atento às notícias dos últimos dois anos, provavelmente ouviu falar sobre o UV-C, já que o método ganhou bastante visibilidade por ser uma alternativa eficiente no combate a bactérias, germes e vírus, como o coronavírus. 

Especialmente durante a pandemia, a população e a comunidade científica se sentiram mais estimuladas a testar métodos e técnicas em busca de soluções que controlassem a disseminação do vírus. 

No entanto, o que muitas pessoas ainda desconhecem é que a Radiação Ultravioleta tem sido utilizada há séculos em procedimentos de higienização e esterilização. Para se ter uma ideia, sua descoberta está relacionada com a observação do escurecimento dos sais de prata quando expostos à luz do sol. 

No ano de 1801, o alemão Johann Wilhelm Ritter registrou que os raios invisíveis acima do limite superior do espectro visível funcionavam de forma eficiente para escurecer papel ensopado em cloreto de prata, por isso os chamou de “raios desoxidantes”, enfatizando sua reatividade química e os diferenciando dos raios de calor (ou infravermelhos) na outra ponta do espectro visível. 

Antes de ter a nomenclatura UV-C, esses raios eram chamados no século XIX de Raios Químicos. Mas, no ano de 1893, a descoberta da radiação UV abaixo dos 200 nm, chamada ultravioleta de vácuo por ser muito absorvível pelo ar atmosférico, foi feita pelo físico alemão Victor Schumman.

A primeira vez que a Radiação UV-C foi reconhecida pela OMS (Organização Mundial da Saúde) foi no ano de 1999, com a publicação de um guia que reunia para o método no controle da disseminação da tuberculose. 

Somente em 2003, o CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos) sancionou formalmente o uso do UV-C em hospitais do País e, a partir desse marco, o método passou a ter mais validação pelos órgãos de saúde de referência.

Leia também “Entenda como os raios UV matam o Coronavírus e a Influenza”.

Cuidados

Independente da utilização, a OMS recomenda que, durante a aplicação da Radiação UV-C, não exista presença humana próxima aos equipamentos que possuem a tecnologia, visto que, como citamos, os raios podem ser nocivos à saúde dos seres vivos, causando irritação, alergias e até mesmo queimaduras nos olhos e na pele.  

Para evitar acidentes, a maioria dos equipamentos que possuem UV-C permitem o acionamento remoto para garantir segurança das pessoas ou possuem uma trava de segurança que detecta a presença humana, fazendo com que o equipamento não funcione, como é o caso dos produtos comercializados pela 59S.

Caso você ainda não saiba, a 59S trabalha com uma linha completa de equipamentos que utilizam o UV-C e tem como intuito desinfetar ambientes, objetos e superfícies, deixando-os livres de vírus, bactérias, germes e outros tipos de microrganismos. 

Caso tenha interesse em aplicar nossas soluções em seu negócio ou domicilio, entre em contato conosco! Garantimos uma solução apropriada para cada necessidade com os devidos estudos e protocolos de uso.

 

Referências

https://enetec.unb.br/blog/a-historia-da-radiacao-uvc-e-seu-poder-germicida/ 

http://www.explicatorium.com/biografias/johann-ritter.html 

Publicado em

Utilização do UV-C na conservação de alimentos

Todos os alimentos possuem vida útil, ou seja, um tempo adequado de durabilidade para que sejam consumidos com segurança e qualidade. Outra informação, que provavelmente você já deve imaginar, é que os alimentos têm graus diferentes de deterioração e alguns fatores influenciam significativamente neste processo, tais como:

  • Características e Composição;
  • Efetividade do Sistema de Embalagem;
  • Condições Ambientais de Estocagem;
  • Situação do Processamento.

Para que esses fatores que influenciam na qualidade do produto sejam mantidos, cada vez mais métodos de conservação de alimentos têm surgido, tanto ao longo do processo produtivo até o armazenamento final. 

Normalmente, eles preservam os nutrientes, aroma, sabor e textura dos alimentos e evitam alterações microbianas, que hoje são consideradas os principais motivos que os apodrecem, assim como alterações enzimáticas, químicas e físicas. 

Métodos de Conservação

Como mencionamos, existem diversos métodos de conservação de alimentos hoje em dia. Eles costumam ter duas classificações, Métodos Convencionais e Não Convencionais e Irradiação.

O tratamento térmico, como por exemplo, a pasteurização, é considerado um Método Convencional, enquanto o HPP (Processamento de Alta Pressão) é considerado Não Convencional. 

Já a Tecnologia UV-C, uma opção eficiente e de baixo custo para conservar alimentos, sucos e produtos lácteos, é um Método de Irradiação, ou seja, utiliza uma técnica de conservação de alimentos que é feita por meio de um processo físico de tratamento, que consiste em submeter o alimento, já embalado ou a granel, a doses controladas de radiação ionizante. 

Esta alternativa tem se mostrado promissora, principalmente nos dias atuais, pois além de prolongar a vida útil e melhorar a qualidade de vários tipos de alimentos, ainda reduz significativamente as perdas pós-colheita e aumenta a qualidade higiênica e a competitividade dos produtos agropecuários no mercado internacional.

UV-C em foco na Indústria Alimentícia 

Muitos estudos foram realizados para atestar a efetividade da Radiação UV-C, inclusive em aplicações industriais do setor alimentício. E, a boa notícia, é que o tratamento com esta tecnologia pode ser utilizado em alimentos frescos sem causar alterações significativas em sua composição, reduzindo assim bactérias, fungos e outros microrganismos, e prologando sua vida útil.

O tratamento com a irradiação em alimentos pode ser realizado no produto a granel ou previamente embalado, que inclusive é o mais recomendado, já que previne uma possível recontaminação. O processo pode ser ainda usado como método de desinfecção de embalagens no processamento asséptico, o que é muito útil em tempos de COVID-19.

Além de não alterar o alimento, o contato da Luz UV-C com o alimento também não prejudica de nenhuma forma a saúde humana, visto que não há contato direto do produto com a irradiação. 

Leia também: “Cabine de luz ultravioleta para a desinfecção das compras de mercado pode ser o futuro”. 

Por que utilizar esse método de desinfecção?

Existem muitos benefícios em utilizar a Luz UV-C como método germicida para alimentos e embalagens. Abaixo separamos alguns motivos que justificam o crescimento do uso desta tecnologia na indústria alimentícia. Confira:

  • Baixo custo de manutenção do equipamento;
  • É ambientalmente amigável, pois dispensa o uso de substâncias químicas, sendo assim mais segura;
  • Não gera subprodutos tóxicos;
  • Permite desinfecções rápidas;
  • Não apresenta resíduos de odor;
  • Não necessita da estocagem de substâncias tóxicas;
  • Utiliza pouco espaço;
  • Elimina contaminantes orgânicos;
  • Causa um mínimo impacto ambiental.

O que a ANVISA diz sobre o uso da tecnologia em alimentos?

A Resolução n° 21 de 26 de janeiro de 2001, da ANVISA, (BRASIL, 2001), determina que, qualquer alimento pode utilizar o método de irradiação, mas desde que sejam observados os limites mínimos e máximos da dosagem aplicada. 

Nesse sentido, a dose mínima deve ser suficiente para alcançar a finalidade pretendida e a máxima, inferior àquela que comprometeria as propriedades funcionais e/ou os atributos sensoriais do alimento.

E aí, qual é a sua opinião sobre a utilização do UV-C na conservação de alimentos? Acredita que essa tecnologia é mais acessível e segura?

A 59S comercializa diversos equipamentos para desinfecção com Luz UV-C, que atendem às mais diversas necessidades. Confira todos eles aqui!

 

Referências

https://bibliotecas.sebrae.com.br/chronus/ARQUIVOS_CHRONUS/bds/bds.nsf/ff8d37af64d77260c7c5fd4c995083f0/$File/19488.pdf 

https://www.cetajrconsultoria.com/tecnologia-luz-uv-c-o-futuro-da-conservacao-de-alimentos/ 

https://foodsafetybrazil.org/dispositivo-com-luz-ultravioleta-podera-descontaminar-alimentos-em-casa/

Publicado em

Entenda como os raios UV matam o Coronavírus e a Influenza

Já falamos por aqui outras vezes sobre a eficiência das lâmpadas que emitem raios UV-C. O tema tem ganhado cada vez mais destaque, visto que hoje a desinfecção por meio dessa tecnologia é considerada uma das mais eficazes contra germes, bactérias e vírus como o Coronavírus e Influenza. 

Um estudo intitulado “Far-UVC Light (222 nm) Efficiently and Safely Inactivates Airborne Human Coronaviruses”, publicado na Scientific Reports, revela que a Luz UV-C elimina até 99,9% dos coronavírus HCoV-229E e HCoV-OC43, quando expostos a esse tipo de radiação durante 25 minutos. 

Mas, e quanto ao Sars-CoV-2, causador da COVID-19, o UV-C é eficiente?

Sim! Os coronavírus humanos, como é o caso do Sars-CoV-2, possuem genomas de tamanhos semelhantes, então a eficiência costuma ser a mesma e especialistas da USP (Universidade de São Paulo) já comprova essa eficiência, tanto que hoje em dia o UV-C já é utilizado para desinfetar máscaras e outros objetos que ficam mais expostos a vírus como Influenza e o Coronavírus.  

O que você precisa saber sobre UV-C

Antes de falarmos de como o UV-C funciona na desinfecção de objetos contra os vírus do Coronavírus e Influenza, é preciso reforçar o que são os raios ultravioletas. Como explicamos em outros artigos que abordam o tema, esses raios são caracterizados como ondas que não conseguimos enxergar, pois têm um comprimento abaixo de 400 nanômetros, ou seja, os olhos humanos são incapazes de captar.

Provavelmente, você já deve ter visto nas embalagens dos protetores solares as siglas UV-A e UV-B, certo? Os raios UV são emitidos pelo sol e costumam ser clafissicados entre UV-A, UV-B e UV-C. O UV-A que você costuma ouvir mais falar por aí, é o de maior recorrência, sendo responsável pelo envelhecimento da pele. Já o UV-C, que também é bastante conhecido, em grande parte é retido pela camada de ozônio, porém ainda assim escapa e o pouco que chega até os seres humanos podem causar queimaduras e vermelhidão na pele. 

Os raios UV-C emitidos pelo sol, por sua vez, não ultrapassam a superfície terrestre, pois são filtrados pela camada de ozônio. Eles são os responsáveis por eliminar germes, vírus e bactérias, já que podem atravessar a cápsula proteica e danificar o material genético de vírus e outros micro-organismos, inativando a capacidade desses micro-organismos de causar infecções. 

Funcionalidade da Luz UV-C

Embora a tecnologia tenha ganhado mais notoriedade nos últimos tempos, principalmente com a pandemia, ela já era conhecida desde a metade do século 20 e usada para a desinfecção de superfícies e líquidos, por exemplo. Logicamente, que com o tempo os estudos sobre a técnica evoluíram, assim como a sua usabilidade.

Hoje, os equipamentos que utilizam Luz UV-C são capazes de desinfetar tanto objetos, como superfícies e ambientes, tanto que são amplamente usadas hoje em hospitais, clínicas, consultórios, escolas, escritórios, supermercados, ônibus e metrôs do Brasil. Mas, vale lembrar que o tamanho do ambiente influencia na eficiência da desinfecção e exige potência e tempo de exposição específicas. 

Outro ponto importante, é que os raios UV-C são nocivos quando entram em contato com humanos, causando queimaduras e até mesmo câncer de pele, por isso nunca devem ser utilizados para desinfetar as mãos ou outras partes do corpo. 

Entenda a diferença entre a desinfecção por Radiação UV-C e Métodos Convencionais

Tecnologia UV-C é com a 59S!

No Brasil, a 59S oferece diversos produtos com a tecnologia ultravioleta, incluindo caixas, bastão e lâmpadas, que realmente atestam a eficácia das fontes de luz na inativação de germes, vírus e bactérias.

Todos os produtos da 59S são fáceis de usar, têm um custo acessível e utilizam a melhor, mais simples e ecológica maneira de desinfetar superfícies, objetos, ferramentais e alimentos, por isso já estão presentes em mais de 14 países.

Quanto à segurança, todos os equipamentos UV-C LED da 59S possuem sensores de proteção, mas ao adquiri-las, sempre priorize parceiros confiáveis e certifique-se de que a instalação seja feita por profissionais qualificados, que utilizam nossos rigorosos requisitos legais e de segurança.

Para saber mais sobre os equipamentos da 59S que usam o LED UV-C para desinfecção de objetos, superfícies e ambientes, entre em contato com a nossa equipe e esclareça todas as suas dúvidas antes de escolher o produto que mais se encaixa às suas necessidades!

Você também poderá gostar de ler: “Desinfecção UV-C: para cada negócio, um produto adequado.”

 

Referências

http://www.cvs.saude.sp.gov.br/ler.asp?nt_codigo=4144&nt_tipo=0&te_codigo=17 

https://www.nature.com/articles/s41598-020-67211-2 

https://super.abril.com.br/ciencia/como-os-raios-uv-matam-o-coronavirus/ 

 

Publicado em

Radiação UV-C x Métodos Convencionais

A pandemia causada pela COVID-19 não trouxe apenas dúvidas relacionadas ao vírus, mas também despertou questionamentos a respeito da proteção e métodos de higienização que combatem efetivamente germes, vírus e bactérias.
Neste artigo você entenderá quais procedimentos são mais indicados para conter a proliferação do vírus; a diferença entre limpeza, higienização, desinfecção, sanitização e esterilização; e a eficácia do UV-C na limpeza, higienização e desinfecção de ambientes, objetos e superfícies. Aproveite a leitura!

Limpeza
Esse método é o mais simples entre os demais, pois é caracterizado basicamente pela remoção da sujeira. Mas, não se engane! A limpeza pode ser muito eficaz contra microrganismos, já que quando é usado algum produto químico associado à esfregação e enxágue, a redução de microbiologia pode chegar até 60%.

Desinfecção
Sempre falamos em desinfecção de ambientes, objetos e superfícies por aqui e sabe por quê? Porque esse processo elimina até 99% dos germes, bactérias e vírus, o que inclui o novo coronavírus e suas variantes. Geralmente, a desinfecção é realizada com desinfetantes ou com tecnologias como UV-C, que falaremos ao longo do artigo, e reduz os microrganismos a níveis não patogênicos com um tempo médio de contato de 10 minutos.
Vale lembrar que a desinfecção elimina a maioria dos organismos causadores de doenças, como falamos antes, mas com exceção dos esporos.

Higienização
A higienização acontece quando realizamos a limpeza e em seguida o processo de desinfecção do ambiente, superfície ou objeto. Como são associados dois procedimentos, os resultados são ainda mais positivos, quando bem executados.

Sanitização
Quando falamos em sanitização, significa que estamos tratando de um processo mais minucioso, visto que é amplamente utilizado na indústria alimentícia, porque exige, por exemplo, um alto grau de cuidados sanitários.
Para realizar o processo, é necessário utilizar sanitizantes específicos, que eliminem totalmente níveis de componentes microbiológicos. Esse processo não se aplica ao nosso cotidiano, pois obedece a regras diferentes da desinfecção.
Leia também “Cabine de luz ultravioleta para a desinfecção das compras de mercado pode ser o futuro”.

Esterilização
Desinfecção e Esterilização são processos normalmente muito confundidos. Vamos então entender a diferença?
Esterilizar um ambiente significa eliminar totalmente os microrganismos, inclusive seus esporos, por meio de processos físicos ou químicos bastante agressivos e restritos. Não utilizamos esse termo para desinfecções do dia a dia, porque trata-se de um processo realizado em situações em que a máxima segurança é necessária, como é o caso de salas cirúrgicas de hospitais ou locais de biossegurança.

UV-C em ação
Como podemos concluir, os métodos convencionais que utilizam desinfetantes, álcool entre outros produtos para a limpeza e desinfecção de ambientes são bastante eficazes, mas sabemos que muitas vezes não são nada práticos e demandam bastante tempo.
Por esses e outros motivos, os equipamentos que possuem UV-C têm sido um dos recursos propostos pelo mercado para desinfecção de ambientes e superfícies em geral, combatendo, dentre outros microrganismos patogênicos, o novo coronavírus.

Mas, o que é o UV-C?
A radiação UV-C é uma das luzes ultravioletas que formam a luz do sol, mas geralmente grande parte dela é barrada pela camada de ozônio. Ela é cientificamente reconhecida por sua capacidade de destruição de microrganismos, por isso, com o advento da tecnologia, diversos equipamentos emitem a radiação UV-C com o objetivo de descontaminar ambientes e superfícies.
A USP (Universidade de São Paulo) analisou os mecanismos relacionados à inativação do SARS-CoV-2 pela radiação ultravioleta e constataram, por meio dos ensaios realizados in vitro, que as lâmpadas com Luz UV-C conseguiram inativar 99% das partículas virais.
Portanto, o UV-C inativa os microrganismos porque quebra a cadeia de DNA, mas no caso do coronavírus, que possui outro material genético que é o RNA, ele também realiza a quebra dessa molécula, impossibilitando que o vírus produza novas partículas virais.
Vale lembrar que a Luz UV-C é eficiente para a desinfecção de superfícies, objetos e, principalmente, em ambientes com circulação reduzida de pessoas e com maiores chances de dispersão do vírus. No ambiente hospitalar, por exemplo, inclusive nos quartos, a tecnologia atua com mais eficiência ainda.

Equipamentos com UV-C
No Brasil, a 59S oferece diversos produtos com a tecnologia ultravioleta, incluindo caixas, bastão e luzes, que realmente atestam a eficácia das fontes de luz na inativação de germes, vírus e bactérias.
Todos os produtos da 59S são fáceis de usar, têm um custo acessível e utilizam a melhor, mais simples e ecológica maneira de desinfetar superfícies, objetos, ferramentais e alimentos, por isso já estão presentes em mais de 14 países.
Quer conhecer a linha completa 59S? Acesse aqui a página de produtos!

Referências
https://higtop.com.br/limpeza-e-desinfeccao-entenda-as-diferencas-entre-os-metodos/
http://www.cvs.saude.sp.gov.br/ler.asp?nt_codigo=4144&nt_tipo=0&te_codigo=17
https://59sbrasil.com.br/entenda-como-a-luz-ultravioleta-pode-ser-usada-contra-o-coronavirus-e-suas-variantes/
https://portalhospitaisbrasil.com.br/qual-a-diferenca-entre-limpeza-higienizacao-sanitizacao-desinfeccao-e-esterilizacao/

Publicado em

Desinfecção UV-C: para cada negócio, um produto adequado

A qualidade do ar que respiramos, a limpeza das superfícies e objetos que tocamos são fatores que impactam negativamente ou positivamente a nossa saúde e bem-estar. Hoje, mais do nunca, sabemos o quanto estamos expostos ao risco de contrair e espalhar diversos tipos de vírus e bactérias, especialmente em áreas públicas movimentadas como lojas, escritórios, fábricas, bares ou restaurantes, escolas, museus, hospitais, consultórios e no transporte público.

Em contrapartida, hoje existem tecnologias, como a radiação UV-C, que tem o objetivo  de desinfetar os mais variados ambientes, objetos e superfícies, ajudando a mitigar o risco de disseminação de uma infecção, ou seja, a solução se mostra individual e coletiva. 

Vale lembrar que o processo manual de limpeza ainda se mostra muito eficiente, visto que elimina até 92% de unidades formadoras de colônias de microrganismos, mas a tecnologia UV-C vem como uma solução complementar e ágil, que garante mais segurança e eficiência.

Um produto que se adequa a cada necessidade

O UV-C tem sido amplamente usado há mais de 40 anos e todas as bactérias e vírus testados até o momento (muitas centenas ao longo dos anos, incluindo vários coronavírus) respondem à eficiência da desinfecção por meio do UV-C.

A 59s possui uma linha completa de equipamentos que utilizam a tecnologia UV-C para desinfecção. A variedade de soluções se adequa a diversos ambientes e utilização. Abaixo listamos os principais produtos da 59s e suas funcionalidades, confira:

Caixa de Higienização or LED UV-C 59S® (S2)

Esta é a caixa de armazenamento de higienização rápida equipada com tecnologia LED UV-C. Com um clique é possível obter 99,9% de taxa de higienização em apenas 180 segundos. Indicada para a higienização de qualquer superfície, como barbeadores, cortadores de unha, vidros, ferramentas cosméticas etc.

Caixa de Higienização por LED UV-C 59S® T5 e T5 BAT

Amplamente utilizadas para fazer a desinfecção de diversos objetos e como estufa em ambientes hospitalares, salões de beleza, consultórios odontológicos etc. As principais vantagens relacionadas a esses dois equipamentos são: 99.9% taxa de higienização, ozone free, secagem rápida, armazenagem estéril e rápida higienização.

Bolsa Higienizadora 59s® UV-C LED P55 (PRO)

A Bolsa UV-C LED P55 da 59S permite que você desinfete em poucos segundos todos os seus objetos pessoais, dentre os principais: telefone, máscaras, roupas, fones de ouvido, joias, relógios, escova de dente, chaves entre outros.

Higienizador Portátil por LED UV-C 59S® (X5)

O Bastão Higienizador da 59S tornou-se um dos principais aliados da saúde nesses tempos de coronavírus, pois além de higienizar tudo com segurança, pode ser transportado para qualquer lugar, podendo higienizar produtos eletrônicos como smartphones, laptops, mouses e fones de ouvido;⠀dinheiro, cartões, óculos, chaves, máscaras, maquiagem e carteira;⠀objetos e locais de uso público como caixa eletrônico (banco) e banheiros.⠀

X2 – Desinfetante de Maçaneta de Porta

Esse equipamento possui poderosas esferas da lâmpada LED UV-C que realizam uma desinfecção completa de 360º e automática. Além da eficiência, a X2 – Desinfetante de Maçaneta de Porta se mostra muito segura, pois possui um design inteligente de detecção infravermelha dupla do corpo humano, ou seja, as luzes UV-C desligam automaticamente quando detectam presença humana a 1,5 metros.

Higienizador de Proteção de Laptop 59S® (MINI SUN 1)

Este pequeno aparelho, semelhante à “luz solar artificial”, possui as funções de iluminação e desinfecção UV, assim como o sol, portanto, desinfeta seu notebook e outros itens automaticamente, livrando-os até mesmo da COVID-19!⠀Lembrando que este método é o mais correto ambientalmente, pois não utiliza substâncias químicas, o que por sua vez não danifica seus objetos.⠀

SUN 1 – Higienizador Automático de Espaços 59S®

O higienizador automático é semelhante à “luz solar artificial” e hoje é considerada a melhor solução anti-COVID-19, caracterizando-se como simples, com funções de iluminação e desinfecção automáticas. Pode ser utilizado em Bares e Restaurantes, Hospitais e Consultórios, Varejo e Comércio entre outros ambientes.

 

Novas Lâmpadas

Além dos equipamentos que citamos, há também as novas Lâmpadas de UV-C LED 59S, que além de contribuir para a iluminação da sua casa, ainda garantem um ambiente mais seguro! São elas:

Todas essas lâmpadas de LED UV-C realizam uma desinfecção automática e inteligente, eliminando até 99,9% dos germes, bactérias e vírus do ambiente. Elas iluminam quando você chega e desinfeta o ambiente quando você sai! Outra vantagem é que todos esses equipamentos são “Enviroment-Frendly”, pois não utilizam nenhuma substância química, portanto, também não geram resíduos sólidos.

Todas as lâmpadas que produzem radiação UV-C são iguais?

Finalizaremos este ARTIGO respondendo a uma pergunta bastante comum: “Todas as lâmpadas que produzem radiação UV-C são iguais?”. 

Não!  As Lâmpadas UV-C disponíveis hoje no mercado podem emitir comprimentos de onda UV-C muito específicos (como 254 nm ou 222 nm), ou até mesmo uma ampla faixa de comprimentos de onda UV. Algumas lâmpadas também emitem radiação visível e infravermelha. 

Você provavelmente deve estar se perguntando em que esse aspecto especificamente influencia, certo? Vamos explicar!

Os comprimentos de onda emitidos podem afetar a eficiência da lâmpada no momento de inativar um vírus e podem gerar riscos à saúde e segurança de seres humanos e animais que, eventualmente, tenham contato com o equipamento. 

Há algumas evidências de que as lâmpadas de excimer, com comprimento de onda de pico de 222 nm, podem causar menos danos à pele, olhos e o DNA do que o comprimento de onda de 254 nm, mas faltam dados de segurança de longo prazo. 

Por isso, o ideal é adquirir um equipamento com certificações técnicas de uma empresa que garante todo o suporte necessário pós-venda! A boa notícia é que na 59s você tem esse atendimento exclusivo e uma equipe capacitada e à disposição para o esclarecimento de quaisquer dúvidas. Entre em contato e saiba mais.

 

Referências

https://www.lighting.philips.com/main/products/uv-disinfection

https://www.uol.com.br/tilt/noticias/redacao/2021/03/13/equipamento-esteriliza-ambientes-em-ate-6-minutos-e-inativa-o-coronavirus.htm 

https://www.fda.gov/medical-devices/coronavirus-covid-19-and-medical-devices/uv-lights-and-lamps-ultraviolet-c-radiation-disinfection-and-coronavirus 

Publicado em

Desinfecção de Superfície com o UV-C

Quando tossimos ou espirramos, liberamos gotículas de líquido, que geralmente caem em superfícies e objetos próximos como mesas, teclados, celulares entre outros. Muitas vezes essas gotículas carregam vírus, inclusive que podem permanecer em superfícies como madeira e metal por aproximadamente cinco dias. 

Quando não há uma desinfecção eficiente, ao tocar nessas superfícies ou objetos contaminados e em seguida tocar os olhos, boca ou nariz, a outra pessoa pode ser infectada pelo vírus e desenvolver uma infecção. 

A boa notícia é que hoje existem tecnologias que realizam a desinfecção de uma forma eficiente, segura e rápida, como é o caso das Lâmpadas UV-C. Quer entender mais sobre esta tecnologia e quais são as indicações para utilizá-la? Continue lendo esse ARTIGO!

Lâmpadas de UV-C LED 59S

As novas Lâmpadas de UV-C LED da 59S, além de contribuírem para a iluminação e segurança da sua casa, também podem ser adaptadas para outros ambientes! Dentre as opções estão:

  • SunClean UV-C Desinfecção por LED UFO Light;
  • Lâmpada High Power de Desinfecção SunClean UV-C LED;
  • Downlight de Desinfecção SunClean UV-C LED.

Todas essas lâmpadas de LED UV-C realizam uma desinfecção automática e inteligente, eliminando até 99,9% dos germes, bactérias e vírus do ambiente.

Mas, inteligente por quê?

Porque elas iluminam quando você chega e desinfeta o ambiente quando você sai!

Outra vantagem é que todos esses equipamentos são “Enviroment-Frendly”, pois não utilizam nenhuma substância química, portanto, também não geram resíduos sólidos.

Leia também: “Demanda por aparelhos de luz ultravioleta para desinfecção do COVID-19 cresce no Brasil”. 

Principais aplicações das Lâmpadas UV-C

  • Em áreas de alto contato, como escolas, pontos de venda, indústria, escritórios e transporte público, o UV-C pode ser usado para uma desinfecção profunda de superfícies (por exemplo, pisos, paredes etc.).
  • O UV-C também pode ser utilizado no setor de transporte para desinfetar superfícies internas, garantindo a segurança dos passageiros. 
  • Também possui aplicações nos setores de varejo (carrinhos de compras, balcões, embalagens entre outros), indústria e escritórios. 
  • A tecnologia atualmente também é muito utilizada na indústria de alimentos, desinfetando correias de transporte e materiais de embalagem (copos de iogurte, garrafas de bebida, etc.). Ele também pode ser usado para tratar produtos diretamente, aumentando a vida útil e preservando o valor nutricional. 
  • Para equipamentos domésticos, como desinfectadores de mamadeiras, secadores de louça, etc., o UV-C oferece segurança extra após a limpeza e ajuda a manter uma superfície limpa durante o armazenamento.

Entenda por que  a cabine de luz ultravioleta para a desinfecção das compras de mercado pode ser o futuro!

Cautela

A iluminação UV-C apresenta risco mínimo quando usada da maneira adequada, por isso é importante também saber que a exposição direta ao UV-C é perigosa. A iluminação deve ser sempre instalada com proteções adequadas (como sensores de detecção de presença ou temporizadores) para evitar danos e lesões graves nos olhos e na pele. 

Todas as  Lâmpadas de UV-C LED da 59S possuem esses sensores de proteção, mas ao adquiri-las, sempre priorize parceiros qualificados e a instalação por profissionais qualificados, que utilizam nossos rigorosos requisitos legais e de segurança.

Para saber mais sobre os equipamentos da 59S que usam o LED UV-C para desinfecção de superfícies e ambientes, entre em contato com a nossa equipe e esclareça todas as suas dúvidas antes de escolher o produto que mais se encaixa às suas necessidades!

Você também poderá gostar de ler: “Os benefícios da tecnologia UV-C para esterilizar os ambientes”.

Referências

https://www.lighting.philips.com/main/products/uv-disinfection/surface 

https://59sbrasil.com.br/ 

Publicado em

Desinfecção de Consultórios Odontológicos com Luz UV-C

Assim como outros ambientes que trabalham com saúde e possuem uma grande rotatividade de pessoas, os consultórios odontológicos estão sempre vulneráveis a microrganismos diversos. Esta exposição se dá, principalmente, pela presença de secreções humanas como saliva, sangue etc. e pelo uso de instrumentos rotatórios.

Existem diversos meios de contaminação com riscos potenciais, a infecção cruzada, por exemplo, é uma das mais comuns em ambientes hospitalares e clínicos, e consiste na passagem de um microrganismo potencialmente patogênico de um meio contaminado a um local inócuo, ou seja, descontaminado, que então passa rapidamente a ser infeccioso.

Nas clínicas ou consultórios odontológicos, especificamente, a infecção cruzada no geral acontece com a transmissão de microrganismos que se dá pelo contato paciente-profissional, paciente-paciente ou profissional-profissional, por meio aéreo ou por objetos e instrumentos contaminados. 

Embora não seja convencional, há um outro meio que também pode facilitar a transmissão, que é a presença de patógenos nas linhas de água e ar comprimido, que são então transportados pelas mangueiras conectadas aos equipamentos. 

Possíveis riscos

Como podemos imaginar, a vulnerabilidade de ambientes de saúde podem facilitar a transmissão de doenças infectocontagiosas. Para se ter uma ideia, de acordo com a OMS (Organização Mundial de Saúde), 25% dos pacientes que vão aos consultórios estão transmitindo doenças infecciosas, o que pode ser bastante preocupante, caso não existam procedimentos adequados de higienização.

Dentre as doenças mais comuns transmitidas nesses ambientes, podemos citar: catapora, conjuntivite herpética, herpes simples, herpes zoster, mononucleose infecciosa, sarampo, rubéola, pneumonia, papilomavírus humano, HIV, tuberculose, além das hepatites tipo C e B. Quanto às hepatites, os dentistas estão cerca de 13 vezes mais suscetíveis a contrair do que qualquer outro profissional.

Como prevenir?

Este assunto é muito importante e merece ser discutido com mais profundidade. Um estudo feito em 2013 por Fernandez et al. mostrou que apesar de grande parte dos cirurgiões-dentistas já ter sofrido acidente perfurocortante, o conhecimento deles a respeito dos riscos e formas de contaminação não é satisfatório. 

Por isso, é sempre importante ressaltar que, medidas de biossegurança são indispensáveis, como o uso de EPIs por parte dos profissionais (luvas, máscara, óculos, gorro, jaleco etc.), desinfecção de superfícies do consultório e de materiais; uso de plástico descartável para cobrir superfícies e equipamentos. 

Assim como os processos de esterilização comuns (usando alta temperatura) utilizados para esterilização de equipamentos e superfícies, é comum a utilização de alguns antissépticos como álcool 70%, glutaraldeído e formaldeído. 

Entretanto, é importante destacar que esses compostos podem apresentar certo risco na hora da aplicação,  especialmente o formaldeído, que possui um forte odor, que além de irritante, é altamente inflamável e reativo, ou seja, liga-se com outras substâncias muito facilmente originando produtos tóxicos e poluentes ambientais.

Para solucionar esses gargalos, muitas clínicas odontológicas têm adotado outra solução: a desinfecção por meio da luz UV-C. 

Para entender o tema, continue lendo este artigo!

Efetividade da UV-C para a biossegurança na odontologia

A transmissão do agente etiológico da COVID-19 ocorre especialmente por meio do contato direto entre pessoas. A maioria dos estudos publicados até o momento confirma o alto potencial de transmissão viral pelo ar, especialmente quando existe a geração do aerossol (partículas menores do que 5 μm).

Nos ambientes de saúde, principalmente odontológico, a geração de aerossóis se dá pelo simples ato da utilização de objetos durante o atendimento, ou seja, caso o paciente esteja infectado, mesmo que assintomático, pode contaminar o ambiente com o vírus carreado pelo aerossol.

Devido a essa facilidade de transmissão, a desinfecção por meio de Luz UV-C ganhou bastante espaço nos consultórios odontológicos, que hoje utilizam diversos equipamentos com a tecnologia, desde aparelhos portáteis a “robôs”, alguns nacionais e outros importados. Todos têm a finalidade de inativar patógenos indesejáveis, principalmente o vilão do momento: o vírus SARS-CoV-2.

A emissão da luz UV-C por meio de lâmpadas específicas, por exemplo, garantem que todos os ambientes e equipamentos presentes no local sejam desinfectados em um processo que dura em torno de dez minutos. A luz provoca uma ruptura no RNA e DNA dos microrganismos,eliminando-os com uma eficiência de 99,9%.

Vale lembrar que, a efetividade da Luz UV-C não é apenas para esse período de pandemia, mas representa um complemento no protocolo rígido que as clínicas de odontologia devem manter, juntamente com a limpeza dos equipamentos, chão e bancadas com álcool 70%, autolavagem de todos os materiais e uso de todos os EPI’s. 

A tecnologia veio para ser uma grande aliada na higienização e combate a diversas bactérias, fungos e germes suspensos no ar, complementando o atual protocolo de higienização e desinfecção dos ambientes de saúde. 

Cuidados ao utilizar a Luz UV-C

É muito importante reforçar a informação de que a exposição direta ao UV-C pode ser perigosa e, portanto, deve ser evitada pelos seres humanos. Os efeitos da exposição humana aos raios podem incluir danos oculares, que começam com fotoqueratite, e danos cutâneos, que consistem em eritema como uma queimadura de sol.

Portanto, o procedimento de higienização deve ser feito com total segurança não só nos consultórios, mas também na sala de esterilização dos equipamentos, seguindo um criteriosos protocolos de monitoramento e supervisão, bem como uma série de cuidados especiais.

Novas Lâmpadas UV-C 59S

As novas Lâmpadas de UV-C LED, além de contribuírem para a iluminação da sua casa, ainda garantem um ambiente mais seguro! Em breve você encontrará no nosso site os seguintes produtos:

  • SunClean UV-C Desinfecção por LED UFO Light (para a cozinha ou banheiro);
  • Lâmpada High Power de Desinfecção SunClean UV-C LED (para o quarto);
  • Downlight de Desinfecção SunClean UV-C  LED (para a sala).

Todas essas lâmpadas de LED UV-C realizam uma desinfecção automática e inteligente, eliminando até 99,9% dos germes, bactérias e vírus do ambiente.

Mas, inteligente por quê?

Porque elas iluminam quando você chega e desinfeta o ambiente quando você sai! Outra vantagem é que todos esses equipamentos são “Enviroment-Frendly”, pois não utilizam nenhuma substância química, portanto, também não geram resíduos sólidos.

Referências

https://revistaimplantnews.com.br/qual-e-a-efetividade-da-uv-para-biosseguranca-na-odontologia/ 

https://www.saudebusiness.com/mercado/luz-uv-c-ajuda-clinicas-odontologicas-no-combate-ao-coronavirus 

Publicado em

Demanda por aparelhos de luz ultravioleta para desinfecção do COVID-19 cresce no Brasil

A procura por aparelhos específicos para proteção contra a infecção do coronavírus teve um aumento de aproximadamente 60% desde o início de 2021. Com a chegada da vacina e as restrições sendo suspensas em diversas cidades brasileiras, a expectativa é que, a preocupação seja maior com a desinfecção do COVID-19 em locais domésticos e externos.

Pioneira e líder global em esterilização por radiação ultravioleta (LED UV-C), a 59S desenvolve aparelhos para uso doméstico e pessoal, utilizando a luz ultravioleta ou UV-C que, na onda de 100 a 280 nanômetros, é considerada germicida, ou seja, capaz de inativar bactérias, fungos e vírus em superfícies, objetos, ar e ambientes.

Ao contrário dos produtos químicos agressivos que, às vezes, são usados em produtos de limpeza e sanitização, a luz ultravioleta não agride o ambiente. A desinfecção por luz UV-C é segura.
Veja como funciona o processo de esterilização:

“É um método rápido, seguro e eficaz para realizar a desinfecção de superfícies, objetos, alimentos, ambientes, em especial consultórios, clínicas, restaurantes, espaços comerciais, áreas comuns de condomínios, elevadores, automóveis, aeronaves particulares, residências, etc. Esse método inativa até 99,9% dos vírus, bactérias e fungos dos ambientes e/ou áreas expostas à radiação UV-C”, explica o CEO da empresa Hasten LLC, Eduardo de Melo Pereira, que trouxe a linha 59S exclusiva para o Brasil.

Os produtos para desinfecção do COVID-19 e também para a higienização correta do ambiente de trabalho, contra a Covid-19, roubaram a cena na maior feira de tecnologia do planeta, a Consumer Electronic Show (CES-2021), que neste ano foi realizada toda em formato virtual.

Os aparelhos e produtos poderão ser adquiridos online pelo endereço www.59sbrasil.com.br ou diretamente com a distribuidora AAMED, – www.aamed.com.br

Publicado em

Entenda como a desinfecção sustentável evita a disseminação da variante Delta

Em outubro de 2020 foi detectada pela primeira vez na Índia a Variante Delta, uma das mutações do vírus SARS-CoV-2 causador da COVID-19. De acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), até julho deste ano, a variante foi registrada em mais de 130 países. 

Alguns estudos revelam que a Variante Delta é mais transmissível do que as anteriores (Alfa, Beta e Gama) e isso tem gerado grande preocupação. Sua rápida disseminação agravou após a flexibilização das medidas de isolamento social em muitos países, principalmente no Brasil, mesmo com o aumento dos números de pessoas vacinadas.

Para se ter uma ideia, a Variante Delta já é considerada tão transmissível como a  catapora e o resfriado comum, representando 90% dos casos nos EUA e 49% dos casos no Brasil. Embora a vacinação esteja gerando bons resultados, ainda assim o problema chama atenção para as flexibilizações das restrições sanitárias no Brasil.

Desse modo, os cuidados devem continuar como: higienização das mãos, uso de máscaras adequadas, evitar aglomerações, vacinação em massa e distanciamento social, quanto maior a distância maior a proteção, principalmente em relação às cepas de alta transmissibilidade como a Delta.

Controle da Disseminação

Mas como manter a proteção no ambiente de trabalho, já que progressivamente as empresas estão voltando com as atividades presenciais?

Realmente, esta é uma das maiores preocupações no mundo corporativo, mas para manter a segurança e proporcionar um local livre da cepa original e também da variante delta, além da limpeza criteriosa dos locais de trabalho e distanciamento entre colaboradores, muitas organizações têm investido em outras formas de higienização.

Primeiramente, é importante lembrar que, até poucos anos atrás, a maioria das soluções utilizada na higienização era extremamente agressiva ao ambiente e às pessoas que frequentavam o local. 

No entanto, a tecnologia passou a ser uma aliada para a realização desses serviços, transformando as soluções em iniciativas cada vez mais sustentáveis e preocupadas com o meio ambiente, como é o caso da utilização da Luz UV-C para a desinfecção de objetos, superfícies e ambientes. 

Com o uso de equipamentos que possuem esta tecnologia, áreas que representam uma ameaça de contaminação cruzada recebem desinfecção que pode alcançar até 99,9% de efetividade contra vírus, bactérias e outros patógenos, o que obviamente inclui as cepas antigas e novas do coronavírus. 

Como a UV-C funciona?

A eficácia da radiação UV se deve ao espectro de luz conter mais energia devido ao comprimento de onda mais curto do que estamos acostumados a enxergar, como a luz, por exemplo. A região entre 200 a 280 nm é denominada UV-C e é conhecida pelos seus efeitos bactericida e germicida.

Os raios UV-C geralmente podem ser encontrados em lâmpadas germicidas e em alguns arcos de solda, porém, ao contrário do que muitos imaginam, eles não estão presentes na luz solar na superfície da terra.

Benefícios do UV-C

A seguir separamos alguns benefícios relacionados à utilização da tecnologia UV-C em ambientes escolares, públicos e corporativos. Confira:

Desinfecção do ar e superfícies

A tecnologia UV-C tem sido utilizada há mais de 70 anos com segurança em diversos hospitais, clínicas, escritórios comerciais, fábricas e outras instalações comerciais e residenciais em todo o mundo. 

As principais associações internacionais de engenharia, e outras entidades de saúde pública e segurança do trabalho orientam o uso do UV-C no combate à pandemia, já que ela é capaz de desinfetar ambientes e objetos.

Não há perigo quanto à radiação

Geralmente, os equipamentos que usam Luz UV-C para desinfetar ambientes são automáticos e fazem com que a emissão de radiação dure enquanto o processo estiver em operação e sem a presença de ninguém. Quando o processo chega ao fim não há permanência da radiação no ambiente, diferentemente do ozônio. Desta forma, os raios UV-C não prejudicam equipamentos, móveis ou pessoas.

Invalida a resistência de micro-organismos

Diferentemente de alguns produtos, a probabilidade de um micro-organismo criar resistência e sobreviver ao contato com UV-C é nula, já que a energia do raio destrói a sua estrutura e inativa as células vivas, tornando vírus, bactérias, leveduras e fungos inofensivos em segundos. 

Quebra o processo de transmissão

Você sabe como acontecem as infecções causadas por patógenos?

Elas costumam ser originadas por pessoas, principalmente quando tossem ou espirram, em seguida micro-organismos são transportados pelo ar, se espalham pelas superfícies, piso objetos e equipamentos. Porém, a desinfecção por meio do UV-C diminui esses micro-organismos de forma eficiente ao interceptá-los no ar ou no próprio ambiente. 

Sustentável

Se a intensidade da irradiação for suficientemente alta, a desinfecção UV-C se torna um método muito confiável, ágil e ecológico, visto que não há a necessidade de utilizar produtos químicos, por exemplo. 

Atenção!

Embora a desinfecção com raios UV-C seja segura e eficiente contra a Variante Delta da COVID-19, ainda assim não dispensa as outras medidas de segurança previstas pelos órgãos de saúde que citamos anteriormente. 

Conheça a linha de produtos da 59S que utilizam a Luz UV-C. Há diversos equipamentos para atender as mais variadas necessidades. Descubra navegando pelo nosso e-commerce: https://59sbrasil.com.br/loja/